terça-feira, 5 de outubro de 2010

A emoção de votar

Quando completei 16 anos, logo providenciei meu título de eleitor. Ano que vem comemoro dez anos de pleno exercício da cidadania. Desde pequena eu dava palpite nas escolhas políticas da família. Com sete anos me metia em reuniões e comícios que aconteciam na casa da minha avó. Mas confesso que nunca havia sentido tanta emoção na hora de votar como neste último três de outubro. A grandiosidade de tudo isso me deu até um friozinho na barriga. Parece besteira, mas não é. Estar engajada no processo político é o que cada cidadão deveria fazer. Sentir emoção pelo simples fato de poder escolher seus representantes. Afinal, quem não vivenciou a ditadura militar, pelo menos já ouviu horrores sobre. E ninguém quer isso de novo. Nenhuma alma em sã consciência deseja ter a boca amordaçada. Vivemos uma democracia na qual podemos escolher os candidatos, apontar os defeitos dos governantes e denunciar absurdos. Isso é lindo! Verdade que o povo brasileiro anda muito decepcionado com tantos escândalos, mas só o fato de nos mantermos livres para apontar esses acontecimentos execráveis já é uma vitória. E vamos lutar para que isso melhore. Vamos ter posição. Me deixa triste escutar alguém dizer votar branco ou nulo ou no que primeiro aparecer na frente. Esse descrédito todo não nos levará a lugar algum. Não vamos banalizar ainda mais a política. É fato que MUITA coisa precisa evoluir, porém sem a participação popular, o processo é lento. Pode rir, mas eu acho emocionante votar. Eu sei que uma parte da eleição já passou e que o recado pode ter vindo tarde, mas vamos levar isso a sério. Afinal, se nós eleitores não levarmos, que políticos mereceremos? Tiriricas da vida?

Abraço...